quinta-feira, 29 de julho de 2010

O sorriso.


Quero envelhecer e guardar o meu sentido de humor. Quero envelhecer com alguém que não me deixe vender o meu sorriso. Quero ter a certeza que fiz tudo, quero ter alguém ao meu lado que não me deixe esquecer que, mesmo com medo, arrisquei. E quero dizer isto aos meus netos: sem medo nunca seria coragem.

Quero poder dizer frases com o meu sorriso. Ou poemas. Ou textos inteiros que falem de amor. Quero ter o poder de sorrir só a quem gosto e quero ter alguém ao meu lado que me dê pontapés às escondidas quando assim não for. Quero chorar a rir comigo própria, seja por que situação for, quero envelhecer com alguém ao meu lado que me pregue rasteiras, que me pregue partidas, me faça ciúmes e goze comigo.

O sorriso é o que nos resta quando as palavras não chegam.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

sorte.





A sorte, essa malvada, dita grande parte da nossa vida.
Tropeçar nas pessoas certas só acontece uma vez de 200 em 200 anos mas aí é que está a rasteira: podes ter a maior sorte do mundo, que se não souberes aproveitá-la, mais valia não a teres.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Só para mulheres



O que é que foi esta merda? Tudo péssimo, a começar pela apresentadora.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

se este blog falasse

diria que não se vai mexer até para a semana.
férias. férias. e mais férias.



terça-feira, 20 de julho de 2010

uns borrachos.


Qual fim de semana romântico, qual serenatas à janela, qual beijos de tirar a respiração. Nem venham aneis de noivado, poemas ditos à noite, comédias românticas que me façam chorar, surpresas e chocolates e presentes e cantorias à toa. Qual olhos vendados, qual jantar no topo do mundo.

O que me derrete mesmo, mesmo, mesmo a sério, são as crianças. São amorosamente sinceras e despreocupadas.
E têm brincadeiras de cair para o lado de tão ternurentas e engraçadas. Como as que tive na sexta com os meus dois primos, os maiores borrachos do mundo.

Telefonemas.


Tenho um grande amigo com quem só falo, assim, ano sim ano não ( que é o mesmo que dizer quase nunca).

Temos duas grandes particularidades: mesmo assim continuamos amigos ; e não há uma vez (uma única) em que fale com ele e não chore a rir.

Adoro.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

há dias assim.


Ontem foi assim. Sorrisos o dia todo.

Palavras leva-as o vento.


Ontem ouvi a seguinte conversa na praia:


Rapariga 1: E eu notei que as mamas dela estavam maiores e perguntei-lhe "Puseste silicone?"
Rapariga 2: A sério? Perguntaste? E ela?
Rapariga 1: E ela "Ah pus não sabias? Pensei que já soubesses!"
Rapariga 1: E depois é assim, fiquei calada, mas ela comprou uma casa há pouco tempo, ainda tinha as paredes para pintar e os móveis para comprar e, claro, primeiro foi pôr o silicone e passado um ano é que mandou pintar as paredes.


Por isso é assim, se puseste silicone antes de pintares a casa e compraste uma casa recentemente e alguma amiga te perguntou por estas alturas se puseste silicone, atenção, estão a falar de ti nas tuas costas.

Papas na língua


Gosto de pessoas sem papas na língua. Daquelas pão, pão, queijo, queijo. Adoro aquelas pessoas que são difíceis de conquistar, as tais, raras, que passado dois encontros ainda não estão a contar a vida toda e a mostrar fotografias de pequena. Acho a coisa mais fantástica do mundo quando a verdade é dita assim, de chapão, sem nenhuma rede ou eufemismo a acompanhar. Quando oiço "Estás mesmo gorda", "Precisas de fazer dieta", "Tu mereceste que ele acabasse contigo" ou qualquer coisa assim, pronto, já têm a minha atenção e simpatia. Adoro um bom sermão, uma boa verdade dita na cara ou uma boa lição de moral, apetece-me logo ser amiga da pessoa que diz tais coisas, apetece-me ir lá e dizer "eu também sou assim, e já agora, esse vestido fica-te mesmo mal, faz-te o rabo gordo e parece que não tens peito".

As pessoas que têm a sorte de ter uma ou duas amigas assim, têm uma grande vantagem: sabem que quando elas dizem "gosto de ti" é sentido.
E as pessoas que são assim têm uma vantagem ainda maior: dizem tudo o que pensam mas quem não as conhece raramente as leva a sério.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Por outro lado

ser pequena dá imenso jeito nestes eventos porque consigo furar e furar até ter uma fila de "gigantones" que já não são para a minha rede.

Bicos dos pés


Vi Pearl Jam em bicos dos pés. O que é o mesmo que dizer que estive duas horas de bicos dos pés. E para ver o ecrã porque o palco, nem de bicos dos pés nem a saltar, nem nada. Sou daquelas que sabe que os cantores entram em palco pelas palmas e gritos histéricos dos restantes espectadores.

E, no entanto, coisa estranha, nada melhor do que concertos em pé, assim, nestas condições, mesmo sabendo que paguei para ver um ecrã. Ninguém me arrasta para concertos sentados, a não ser que sejam cantores mesmo mesmo calmos.

Adoro o pó, os saltos, as dores depois de estar horas e horas de bicos dos pés. Sabe a festival dos bons.

"Before I die I want to..."


"Before I die I want to..."

Foi nesta frase que se basearam Nicole Kennedy e K.S.Rives para começarem uma espécie de exposição. Eles pegaram em três coisas: a ideia de morte, a polaroid e o seu desaparecimento ( que agora volta a aparecer) e a paixão pelas pessoas.

Andaram pelos EUA, de polaroid em punho, tiraram fotografias e pediram aos fotografados para escrever o que queriam fazer antes de morrer. Pedem também o email com o objectivo de passados uns anos os contactarem para saberem se já realizaram o sonho que tinham na altura em que foram apanhados na rua e em que ficaram parados na memória de uma fotografia.

Mas isto não lhes chegou. Resolveram abrir os horizontes e ir mais longe e rumaram à Índia, onde fizeram a mesma pergunta a crianças, joven, novos e velhos, casados e solteiros, pobres e ricos. E os resultados são fantásticos.
"Before I die I want to study" é um dos exemplos e demonstra a diferença de culturas. (e o que está aqui ilustrado)

Para breve uma lista no blogue inspirada por esta iniciativa.


terça-feira, 13 de julho de 2010

Amigos, para que vos quero.

Obrigada ao meu amigo que se deitou às 5 da manhã vários dias e, pelo menos uma vez, depois de sair à noite, ainda foi terminar a tradução que eu precisava de hoje para anteontem (como sempre).

Expectativas



Devia haver uma maneira de gerir as expectativas e de saber nivelar logo à partida as pessoas com quem nos vamos cruzando.
A verdade é que esperamos sempre mais de quem está mais próximo (ou consideramos que esteja mais próximo) mas muitas vezes acabamos por sair com as expectativas furadas. E depois ficamos na dúvida : a culpa é nossa por ter as expectativas muito altas ou da pessoa por não corresponder às expectativas?

É um pau de dois bicos, como se costuma dizer.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

True.

Ai, o amor.

embed src="http://www.youtube.com/v/ToVlFSCHuHU" type="application/x-shockwave-flash" allowfullscreen="true" allowScriptAccess="always" width="425" height="344">

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Grey's Anatomy (o fim da temporada 6 é fantástico)


- Are you seeing this room here?
- yeah
- that's your room.


A Meredith e a Christina. Adoro-as. Não é a elas, é a elas juntas. é delas juntas que eu gosto.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

espelho

Tenho uma amiga que é a minha cara.

(nunca tinha ouvido esta expressão a propósito de uma amiga mas hoje ocorreu-me que era possível)

quarta-feira, 7 de julho de 2010

A senhora que sobe e desce Porto Santo.


No Porto Santo há uma senhora, já com os seus 80 anos, que todos os dias vai a pé até lá abaixo e volta ao final da manhã a subir tudo até lá acima. Para isto, ela acorda às 6.30 da manhã, apanha a missa lá em baixo e volta a subir tudo depois num passo lento mas decidido. Está aí para as curvas.

Não são os lugares que me fascinam. É a história das pessoas.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

fofoquice


se soubessem a quantidade de segredos que eu sei e não digo a ninguém, caía-vos o queixo.
as pessoas tendem a confundir uma inclinação para a fofoquice com aquela coisa, como é que se diz, embora contar a esta que a minha amiga anda a dormir com um gajo fantástico e descrever todos os pormenores.

Podia ser fofoquice. A única coisa que faz com que não seja é aquela palavra logo a seguir a minha, isso mesmo, amiga.

se este blog falasse


Se este blog falasse diria

estou de férias sem mexer uma palha, actividade e vida normal só para a semana.