quarta-feira, 31 de março de 2010

A política


"Quando crescer quero ser político porque sei mentir muito bem"

Adoro crianças. Tão pequenas e já com tanta noção da realidade. 

E se a sua casa fosse um camaleão?




Perto da capital do Perú, há uma casa que se confunde com a paisagem envolvente. Faz ainda mais sentido sabendo que foi construída para dois filósofos, que ali vivem num jogo de luzes e vistas de sonho. É calma transformada em pedra. 
Isolar-nos do mundo nunca foi tão literal. 

Tudo aqui. 

Vamos passear?


Gelados para todos. A toda a hora, em qualquer lado. E mais passeios em Cascais ou S.João do Estoril. E na Baixa. Está quase.  

Respire fundo.






Agora já não é preciso combinar cafés "a torto e a direito". E já não há desculpa para interromper o trabalho para ir só ali à sala de estar, fumar um cigarro, tomar um café... e dar uns dedos de conversa. 

A empresa Le Whif lançou um inalador de café. Pode ser inalado pelo menos oito vezes por dia e as suas partículas colam-se à língua e não se alojam nos pulmões. 

A partir de agora, quando se sentir a precisar de cafeína para conseguir pensar, basta respirar fundo. 

Mais informações aqui. 

terça-feira, 30 de março de 2010

segunda-feira, 29 de março de 2010

Não te pedimos mais do que podes dar.


Continuo a adorar este anúncio, por mais anos que passem. 

Os jornalistas têm que saber falar?


Como explicar à maioria dos portugueses que não se trata as pessoas por você, que não se diz "o que é que vocês acham?" mas sim "o que é que os senhores acham?" - e por aí fora-  se temos jornalistas como Fátima Campos Ferreira a dar o mau exemplo no programa prós e contras?

Fazer uma pausa.


A propósito de uma conversa que tive outro dia com um amigo, apetece-me passar um mês a viajar, de mochila às costas, sem nada marcado e com a espontaneidade dos dias a guiar-me. 





domingo, 28 de março de 2010

O mundo de cabeça para o ar



É de originalidade que as boas ideias são feitas. 
Brandon Voges trabalhou 7 anos como ilustrador, designer e director de arte até perceber que a fotografia é que tinha sentido para ele. Por isso, não nos traz só a ideia fora do vulgar mas a lição: é preciso arriscar, para chegar mais longe e, principalmente, é preciso ter coragem para fazer aquilo de que realmente gostamos. 

O que ele fez aqui foi fotografar algumas pessoas de cabeça para baixo e depois expor o trabalho mas como se fosse uma fotografia normal. O resultado são fotografias estranhas, com veias marcadas e caras vermelhas. E engraçado, exactamente por ser fora do que estamos habituados a ver. 


quinta-feira, 25 de março de 2010

Em tempo de chuva




Agora que o tempo "não anda nem desanda" aqui ficam chapéus de chuva originais. 
Há para todos os gostos. 

Guardar amigos.


Os amigos que nos dizem a verdade, mesmo sabendo que não vamos gostar de ouvir, esses são aqueles que vale a pena guardar. 

quarta-feira, 24 de março de 2010

Galhofa


Aparentemente, o que eu estive a fazer nos meus anos de curso foi isto: galhofa. E gostei. 
Vale a pena ler. 


IKEA E A PROCURA PELA COZINHA MAIS HORROROSA


A IKEA está à procura da cozinha mais feia de Portugal. Para aqueles que se consideram fortes candidatos, é só inscreverem-se em www.cozinhadesonhoIKEA.com, fazerem o upload de 3 fotografias e uma descrição e esperar pela votação. O vencedor receberá uma cozinha totalmente nova, sem grande esforço. 

Boa ideia. Mas a Ikea já nos habituou a estas coisas. 

Mais informações aqui. 

H&M






- Barcelona, que te falta?

Ora aqui está. Uma desculpa para ver uma ou duas lojas para além das ruas, pessoas e monumentos. 
O que o Estudio Mariscal fez pela H&M. 

segunda-feira, 22 de março de 2010

Milan Design week



Para a Milan Design Week 2010 a Eastpak e os designers Quinze & Milan criaram isto. A verdade é que quando nos deitamos no sofá é para não fazer nada. Ou, às vezes, para curar a ressaca. E é melhor se se tiver tudo à mão. 

Ser adepto.


Ontem foi o dia em que Lisboa, Porto e talvez mais alguns pararam. Em que os adeptos comeram tremoços, beberam imperiais até não conseguirem mais e disseram uns quantos palavrões a insultar o adversário. Homem que é homem diz palavrões, come tremoços com os pés em cima da mesa (no café ou em casa) e bate. Sim, bater é algo que parece fundamental nestes jogos, principalmente se for uma final, como ontem. 

Ontem, foi por isso, o dia em que algumas muitas pessoas, se concentraram onde quer que houvesse lugar (autoestradas, estações de serviço, parque de estacionamento) e se prepararam para a guerra. Porque, até me custa dizer e, ainda pior, generalizar, os adeptos de futebol, hoje em dia, são uns selvagens. Não há jogo onde não haja policia às bastonadas, adeptos a atirar garrafas e pedras, cadeiras a voar até ao campo. E, pior, na televisão aparecem homens orgulhosos de estarem a fazer isso, homens que dizem que é preciso porque eles é que começaram e porque merecem. E, esclarecedor do estado em que está o país, ainda há a polícia e os tribunais, que fazem detenções que depois não existem, que deixam sair em liberdade este e aquele, que não fazem pagar quem deve. As claques continuam a existir, pavoneiam-se por aí porque aparentemente são intocáveis, dão uma ou outra lição a quem merece e continuam jogo após jogo, a mostrar como são "valentes". 

As pessoas que acham isto estranho são uma minoria, provavelmente nem sabem o que é ser adepto de algum clube, porque ser adepto às vezes tem destas coisas, tem que se ir à guerra, dar e levar, mas , se for possível, partir uns quantos vidros e tentar acertar na cabeça dos que estão do outro lado. 
As imagens que vi ontem na televisão são vergonhosas e o espelho daquilo que é a nossa sociedade. 

Há uns dias dizia-me um senhor americano que não percebia como é que aqui em Portugal as pessoas não liam mais e não iam a mais eventos culturais. Tive alguma dificuldade em explicar-lhe que, neste país, há outros assuntos mais importantes e, principalmente, há muita educação e valores em falta. 
A dificuldade mantém-se, pelo menos até ser membro de uma claque qualquer. 

quinta-feira, 18 de março de 2010

A sua casa é o metro.



Que ideia genial que o IKEA teve. Colocaram no metro de Paris uns sofás para as pessoas se sentarem enquanto esperavam. No fundo, para se sentirem em casa enquanto não chegavam a casa. Há coisas que parecem tão fáceis que até chega a irritar. 

É por estas e por outras que faço questão de voltar a Paris. 

VitaminWater





Hoje não vou "falar" muito. Queria só dizer: acho estes copys geniais. E mais uma coisa : vale a pena ir ao site ver outros (nem que seja porque aqui não se lê bem). 
Para meio entendedor, meia palavra basta. Aqui fica. 

quarta-feira, 17 de março de 2010

Como Florence esgotou a aula magna.





Florence and the Machine esgotaram ontem a Aula Magna. 
Desde o momento em que pisou o palco até ao fim, Florence mostrou-nos o que é ser toda ela música. Fez da voz o que queria, sem esforço, enquanto saltitava pelo palco e batia palmas. Não desafinou nunca, atingiu todos os agudos e levou o público a fazer da aula magna uma verdadeira sala de concertos. A provar a sua personalidade explosiva desafiou os espectadores a saltarem para a frente do palco que, claro está, não se fizeram rogados, perante a impotência dos seguranças. 

Não parou de saltar e dançar até à ultima musica, interagiu com o público e provou porque é considerada um fenómeno. Fez da voz o que quis, desde as músicas mais intimistas às mais movimentadas. Sem cerimónia e ainda bem. Surpreendeu pela simplicidade com que tudo lhe sai tão naturalmente, no seu vestido branco, cabeleira ruiva e gestos de menina. E entre algumas palavras aportuguesadas, prometeu que voltava. Por cá, ficamos à espera, com a certeza de que a podíamos ver outra vez já hoje. 

terça-feira, 16 de março de 2010

Carácter.



Trabalhar de borla está na moda. Que é como quem diz estagiar de borla está na moda. 

Os recém licenciados saem dos cursos cheios de garra e de vontade de mudar o mundo. Ávidos de conhecimento. 
Na minha opinião, características que só podem ser consideradas mais-valia mas para alguns são razões de sobra para se tornarem mão de obra barata. Estágios há muitos, caso procurem, mas raros são remunerados e a maioria só oferece ajudas de custo. 

A maioria aceita porque precisa de emprego, ou de curriculo, ou de experiência. Não os podemos julgar, faz sentido que o façam, na altura em que estamos e com a falta de emprego que há. 
Podemos e devemos, no entanto, julgar as empresas que o fazem. Contratar pessoas não as remunerando ou dando-lhes condições minímas é , no minimo, falta de carácter. Numa altura em que os valores estão tanto na "berra", ainda pior. 

A garra, a vontade de aprender, a disponibilidade para trabalhar sem dormir deveriam ser recompensados. E não só. Estes jovens trazem uma visão nova, jovem, com outra perspectiva. E mais. Trazem com eles uma enorme vontade de vencer, um sentimento de que se pode tudo. 

A maioria traz com eles valores. E carácter. Às vezes têm a mais e podem até dar uma parte. Pena as empresas, aquelas que precisam, não aproveitarem. Mas a moda tem destas coisas. 


sexta-feira, 12 de março de 2010

Flintstones à portuguesa




A casa está construída entre quatro rochas gigantes e parece uma enorme casa dos flinstones, o  que só vem adicionar algo delicioso à já estranha habitação. 

E, melhor que tudo, foi feito em Portugal. Quem diria. 

A noticia toda aqui. 

quinta-feira, 11 de março de 2010

Os patetas



Os pilotos da Tap vão avançar para uma greve de 6 dias porque querem aumento de salários. 
Continuo a surpreender-me cada vez que oiço ou leio esta noticia. 
Sim, coitados, recebem muito pouco, qualquer pessoa sabe isso. Chego realmente a ter pena e, ao mesmo tempo, gostava mesmo de saber o que passa na cabeça destes "rapazes", os chamados pilotos. 

Não, não recebem pouco mas acho que nem vale a pena entrar por aí. Seria suficiente pensar na situação financeira em que está o país para perceber que é uma ideia que, embora um pouco palerma em qualquer altura (tendo em conta que, se formos a ver, certamente não seriam os primeiros que aumentaríamos se o pudessemos fazer) , especificamente neste momento é uma ideia realmente parva e sem sentido. Há empresas em falência, umas quantas que já fecharam, milhentas pessoas despedidas e que se calhar não se importavam de receber o que os senhores estão a receber. E sim, muitas destas pessoas também estudaram e tiraram um curso, tal como os senhores. Ó senhores pilotos, os salários estão congelados em tanto lado e os senhores vêm fazer esta exigência sem qualquer sentido? Parece que estão a brincar com o resto dos mortais. 

É uma pena a TAP não os poder despedir e contratar pessoas que queiram trabalhar. Porque, rapazes, é mesmo o que parece, a nós, comuns mortais e faz-nos alguma confusão. Faz-nos comichão, vá lá. 
Ou a ideia é levar a TAP à falência? Se for esse o caso, então tenho que admitir, bem jogado. Mas continuo sem perceber. 

Má publicidade à parte, a Ryanair aproveitou esta "brecha" causada por estes "individuos" e promete umas quantas rotas a 8€ "livre de greves", como se pode ver aqui
Disse até que discordava dos pilotos, exprimindo por palavras o que todos temos na cabeça. Claro que é publicidade, e inteligente, mas não deixamos todos de concordar com a companhia. 

Continua-me a espantar como se exigem certas coisas com tanta leveza. Mas, lá está, talvez os patetas sejamos nós. 



segunda-feira, 8 de março de 2010

Como manter uma relação


"Não esquecer o nome da namorada. Isso estragava tudo! "
Ricardo - 8 anos


Tão fácil como isto. 



Esta fotografia de Robert Longo fez-me hoje parar e respirar fundo, com aquele olhar com que se fica quando se vê algo que podíamos observar vezes e vezes sem conta, sem cansar. (vale a pena ir ver, no museu Berardo)
E trouxe-me outros sentimentos. Sendo que às vezes há palavras que só alguns conseguem "traduzir", aqui ficam aquelas que me leram: 


Quando eu morrer voltarei para buscar
Os instantes que não vivi junto do mar


Sophia de Mello Breyner

sexta-feira, 5 de março de 2010

Inspirem-nos, mas façam-no rápido.


Estive ontem no ignite Lisboa e valeu imenso a pena. 
O ignite é um movimento que começou em Seattle e que desde Outubro temos também em Portugal. É quase como se fossem conferências em versão miniatura, num método fantástico: cada orador fala 5 minutos e tem 20 slides (15 segundos cada) e aborda assuntos como tecnologia, inovação, criatividade e empreendorismo. A assinatura, no titulo deste post, transmite tudo o que é preciso. 
O bom de ser pouco tempo cada é saber que, quando o assunto não nos interessa, não tardará a vir outro orador. Depois, claro, temos aquelas pessoas que eramos capazes de ouvir várias horas, independentemente dos slides e minutos. (ontem houve 3 ou 4 casos) 


Não sei quantas pessoas estavam ontem mas pareceram-me muitas. Não estava à espera. Saí de lá com a sensação agradável de quem teve uma tarde bem passada. E voltarei em Junho. 

Como ponto negativo fica a atitude das pessoas. Quando o assunto não interessa temos duas hipóteses: ou nos calamos e ouvimos à mesma ou vamos conversar lá para fora. 
Apesar disto, fica a certeza: os pontos positivos, muitos, fazem esquecer os negativos.  

Recomendo. 

Tomar banho a ver as estrelas.




A hora do banho vai passar a ser sagrada e desconfio que se vai repetir várias vezes ao dia. Agora a novidade é: podemos levar a banheira para qualquer lado. Chama-se dutchtub e não é mais do que uma banheira portátil, que pode ser usada em qualquer lado, desde que haja lume e madeira. 

Tomar banho aqui e ali. Em qualquer lado. A ver a paisagem. 
Por mim, perfeito. 

Toda a noticia aqui.

terça-feira, 2 de março de 2010

Optimus no facebook



As redes sociais estão na moda e o trunfo é aproveitar todas as suas capacidades. Às vezes o que parece mais obvio
passa na cabeça de todos mas, no fim, o melhor não é quem tem a ideia mas quem a põe em prática primeiro. 

A Optimus soube como o fazer, numa vertente ainda não explorada e quem quer fazer parte da equipa escusa de procurar mais nos sites tradicionais. Basta tornar-se fã da página da marca no facebook e ver o perfil procurado. E concorrer. As condições oferecidas, penso eu, não estão lá mas se calhar a ideia é mesmo essa (afinal pedem um trainee já com experiencia profissional). 

Quem quiser, já sabe, é aproveitar. 

Criar sapatos by Zilian.



Começar o dia com os sapatos dos seus sonhos. E, melhor, ninguém mais ter uns iguais aos seus. E, quando parece que não pode melhorar, pode escolher pormenor a pormenor do sapato pretendido, seja raso ou de salto alto. A ideia é imaginar e desenhar tudo, passo a passo. As vezes que quiser. 
Boa ideia. Para nós e para a marca, claro. 

Mais informações, aqui. 


segunda-feira, 1 de março de 2010

Palavras.


Ganhei o gosto por poemas com um professor de português que tive na secundária. 
O prazer dos poemas, aquela curiosidade de saber o que vem por detrás das palavras, o que vem agarrado a elas, escondido, vem dessa altura. 

Era um senhor, o meu professor, cheio de qualquer coisa que não consigo explicar (aura, diriam alguns) , daquela sabedoria que está presa ao corpo, ao olhar, à atitude. Respirávamo-la, a ela e à ternura. Só de o termos por perto. 

Desde que me lembro que adoro palavras mas foi na aula do meu professor que apresentei este poema, orgulhosa. Foi por causa dele que o descobri (provavelmente tê-lo-ia descoberto à mesma mas de outra maneira não tão saborosa).  
E ainda hoje é um dos meus preferidos.